Resenha: Fúria Vermelha - Pierce Brown

novembro 17, 2015 / Redação SOODA /


Fúria Vermelha (Red Raising)
Trilogia Fúria Vermelha, Volume 01
Pierce Brown
Editora: Globo Livros
Ano: 2014
05 Estrelas

Fúria Vermelha revive o romance de ficção científica que critica com inteligência a sociedade atual. Em um futuro não tão distante, o homem já colonizou Marte e vive no planeta em uma sociedade definida por castas. Darrow é um dos jovens que vivem na base dessa pirâmide social, escavando túneis subterrâneos a mando do governo, sem ver a luz do sol. Até o dia que percebe que o mundo em que vive é uma mentira, e decide desvendar o que há por trás daquele sistema opressor.
Tomado pela vingança e com a ajuda de rebeldes, Darrow vai para a superfície e se infiltra para descobrir a verdade. 'Fúria Vermelha' será adaptado para o cinema por Marc Forster, diretor de Guerra mundial Z.

Pierce Brown: Passou a infância construindo fortes e armadilhas para os primos, ao termina a faculdade em 2010, achou interessante a ideia de continuar seus estudos em Hogwarts, porem sua carta nunca chegou. Agora mora em Los Angeles, onde escreve contos de espaçonaves, feiticeiros, monstros e muitas coisas bizarras.

“Eu poderia ter vivido em paz, mas meus inimigos me trouxeram a guerra”. - (BROWN, p. 11)

Ainda, to tentando adquirir folego para escrever essa resenha, simplesmente Pierce Brown escreveu uma das melhores distopias dos últimos anos, aliás isso não se trata de apenas de uma distopia, mas de um ensinamento sobre poder, que consegue tocar o mais fundo de nossos pensamentos sobre o assunto.



O livro trata da história de Darrow, um vermelho que mora em Marte e trabalha nas profundezas do planeta com objetivo de preparar a terra para ser habitável para os seres humanos. Até aí tudo bem, porém o que ele não sabia é que os seres humanos já habitavam o planeta vermelho a mais de 300 anos, e eles eram escravos desses homens. Como ele descobriu? Após, um acontecimento marcante em sua vida e uma experiência de quase morte, ele foi resgatado por um grupo de resistência a esse regime de escravidão. Os Filhos de Ares, o qual apresentou para ele o Planeta.

Confira nossa resenha do segundo livro: Filho Dourado

A sociedade em Marte é dividida por cores, existem os baixos-vermelhos, que nem sabem da existência de vida terrestre, que era o caso de Darrow, os alto-vermelhos que são escravos em superfície, os cinzas, que são os policiais, os rosas que são as prostitutas e os michês e os Ouros, que estão no mais alto escalão dessa sociedade, são os responsáveis por controlar tudo “manter a sociedade em ordem, com o poder”, além disso existem muitas outras cores, as quais cada uma tem uma função diferente.

Porém com a chegada de Darrow, os Filhos de Ares fazem um plano, bem ousado com objetivo de finalmente conseguir acabar com essa divisão de classes. Dessa forma, Darrow acaba parando num instituto, no qual ele vai lutar para tentar ser o melhor. E nesse momento que o primeiro livro se desenrola.

Esse livro é fenomenal, primeiro; porque ele consegue aliar a questão intergalácticas, de planetas, com as grandes batalhas épicas, conhecidas de nossa sociedade, como as batalhas romanas e medievais e claro sem parecer piegas, sendo tudo na medida. Então a gente fica fissurado e imaginando como deve ser uma batalha épica, num planeta com baixa gravidade como Marte.

Segundo; a divisão em casas e as mortes de maneira natural. Já sei, vocês devem dizer que já viram isso em Game Of Thrones, e de certa forma lembra um pouco. Mas ele consegue avançar. As casas são divididas de acordo com os Deuses do Olimpo, inclusive existem os inspetores que são vistos como Deuses do Olimpo, e a disputa que é proposta, congrega sempre em uma força, não somente uma liderança, mas uma força, uma pessoa, todos querem ser essa pessoa, o amigo, ou inimigo, então não existem amigos e inimigos, e isso é bem ressaltado em todos os capítulos do livro, inclusive uma frase que me marcou muito foi:

"Embora sozinho, sei que logo encontrarei os outros. Eles querem que eu fique embebido na culpa por enquanto. Eles me querem solitário, entristecido, de modo que quando eu me encontrar com os outros, os vencedores, ficarei aliviado.” - (BROWN, 183 p. 183)

Por falar nisso, o terceiro ponto que marca esse livro; é suas grandes tiradas, frases de alto impacto em nossas reflexões. Ele não é feito só por batalhas, ele é muito mais que isso, tem uma filosofia, que envolve o poder, e as questões sociais desse processo, como e o que os seres humanos são capazes de fazer pelo poder, e não só isso nos mostra táticas e estratégias, que podem muito bem ser usados em aulas de administração estratégica. Pierce Brown, consegue transformar essa distopia em um ensinamento de vida, ensinamento da alma.





Em quarto; não poderia deixar de comentar que as batalhas são tão bem aproveitadas pelo autor, sim suas descrições são incríveis, é como se ele nos colocasse no campo de batalha junto com Darrow, como se nós estivéssemos combatendo junto com ele, poucos livros descrevem tão bem as guerras como Brown, só vi descrições assim em Senhor dos Anéis.

Em quinto e não menos importante, aliás é mais importante; o protagonista Darrow. Afinal do que seria de um livro sem um protagonista que não nos prendesse, e isso Darrow consegue fazer muito bem, o seu crescimento durante a jornada nesse livro é demais, ele se torna um líder, se torna um líder em que todos acreditam que todos querem segui-lo, por ser teimoso? Talvez, por querer o melhor para o seu povo? Óbvio, mas mais do que isso. Por não ter medo de morrer, de seguir em frente, quando necessário, de mostrar a espada aos amigos rebeldes de não mostrar espadas aos seus inimigos mais fracos, de conseguir a confiança daqueles que o odiaram, mas que agora são amigos fieis. Por acreditar que as pessoas são capazes, Darrow não é só um líder, mas um exemplo de protagonista, e com certeza vai estar na minha lista de personagens favoritos.

 No mais, se eu contar mais alguma coisa, acho que vou dar spoiller, mas queria falar tantas coisas para vocês, aqueles que quiserem, me sigam no twitter e vamos falar mais sobre o livro, preciso compartilhar meus anseios com pessoas que já leram ele. Com certeza, esse livro ganha 5 Estrelas com louvor e minha expectativa gigante de ve-lo no cinema. Aliás, To mais do que na esperança de que a Globo Alt consiga trazer o autor na Bienal do Livro do ano que vem. E Deixo vocês com a seguinte frase.



“Ninguém saca o jogo, porque ninguém conhece as regras. Ninguém segue o mesmo conjunto de regras. É como a vida. Alguns acham a honra um valor universal. Alguns acham que as leis criam laços entre os indivíduos. Outros sabem que não é bem assim. Mas no fim, os que ascendem ao poder por meio do veneno não são os mesmos que morrem por veneno? - (BROWN, p. 365)

Skoob: 4,4 Estrelas
Goodreads: 4.21 Estrelas

Recomendado Para Você

4 comentários

Comente com o Facebook

Instagram