Resenha: O Chamado Monstro - Patrick Ness

abril 26, 2016 / Redação SOODA /


O Chamado Monstro (A Monster Calls)
Autor: Patrick Ness
Editora:Editora Ática
Ano: 2011
05 Estrelas

A escuridão, o vento, os gritos. Os olhos estatelados, a respiração entrecortada. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de chegar ao fim.


Autor: Patrick Ness é escritor, norte-americano que hoje vive em Londres, ele já ganhou alguns prêmios, inclusive por "O Chamado Monstro". Um fato curioso é que Patrick na verdade não começou o projeto do livro "O Chamado Monstro", quem iniciou o trabalho foi Siobhan Dowd, que infelizmente veio a falecer em decorrência de um câncer. Inicialmente Patrick não aceitou a história, mas depois de vê-la como foi concebida, optou por continua-la e finalizar esse belo enredo imaginado por Dowd.

“Histórias são as coisas mais selvagens que existem, trovejou o monstro. Histórias perseguem e caçam e mordem” (p. 45)



Resenha: Hoje, vou começar meio trise, mas vou começar meio triste, porque simplesmente vou falar de um dos livros mais bonitos que eu já li até os dias de hoje. Imaginem vocês, descobrindo que um parente muito próximo, talvez o seu esteio, foi diagnosticado com câncer? Imagine, que ele começa a sofrer, com a Quimio, os remédios, a pessoa não para de ter efeitos colaterais, passa a noite gritando, sofrendo, agonizando, você faz de tudo para amenizar o sofrimento, mas o sofrimento em nada quer sair dele (a), são dores afins? O que passa pela sua cabeça? O que você faria numa hora dessas? Agora imagine, que uma criança de 12 anos, tem de passar por isso, o que será que passa na cabeça dessa criança? Eu não consigo imaginar. Quer dizer, depois que eu li “O Chamado Monstro” de Patrick Ness, agora eu consigo imaginar, só não consigo sentir a dor que seria se eu visse isso.

O livro escrito por Patrick Ness, na verdade foi construído a partir da ideia da autora Siobhan Dowd, que infelizmente não pode finalizar a história em consequência de um câncer que assolou seus últimos dias de vida, mas trouxe inspiração suficiente a Ness, para construir esse maravilhoso enredo.

Filme que será lançado em outubro de 2016

O livro conta a história de Conor, um garoto de 12 anos de idade, que está sofrendo muito em decorrência de uma doença (o qual o livro não diz claramente, mas pelos sintomas conseguimos deduzir que seja câncer) que assola a sua mãe há algum tempo. Certa noite, aparece em sua casa exatamente às 12h07 um monstro, em formato de árvore, o qual foi chamado (Conor diz que não, mas o monstro insiste em dizer que Conor o chamou) para contar três histórias, e depois que elas forem finalizadas, Conor estará preparado para contar a sua história. Mas que histórias são essas? Será o monstro real ou fruto da imaginação de Conor?


O enredo mescla entre os encontros de Conor com o monstro e o seu dia-a-dia, o seu sofrimento, o sofrimento da sua mãe, o bullying que os amigos praticam com ele na escola, sua vó “doce e insuportável”, e seu pai que aparece de vez em quando e some quando quer. Enfim. Porém, vale ressaltar que situações estranhas sempre acontecem depois que o Monstro conta as histórias para Conor, normalmente situações bem destrutivas, aí voltamos a nos perguntar. É o monstro que faz isso? É o próprio Conor? O que é isso minha gente?

“Histórias são criaturas selvagens (...) Quando você as liberta, como saber a devastação que elas podem causar? (p. 61)

Patrick Ness consegue construir um texto como poucos, colocando cada palavra no lugar certo, é uma história triste, mas um triste bonito, porque é uma história de transformação, aceitação e aprendizado. Os seus traços infantis (afinal é um livro para crianças) deixam reflexões em todos que leiam compreendam, e não sei exatamente se todas as pessoas vão chorar com o livro, mas se emocionar, com certeza.

E as ilustrações de Jim Kay? Gente, as ilustrações do Jim Kay não são somente complementos, são palavras não-escritas, gestos, comunicação, é a linguagem não-verbal do livro que personifica tudo o que Patrick Ness escreve, permitindo que a obscuridade das cores, tracem riscos em seu coração, te levando a reflexões sobre a vida, reflexões sobre o homem e a sua relação com a morte, é um despertar, que poucos livros me causaram.

O livro que eu tenho em mãos, foi um empréstimo do amigo Rafael Lutty do blog pseudomático, o qual só tenho de agradecer a imensa oportunidade de conhecer essa história. E não é só isso. Em 2016, essa história chega aos cinemas, e o pelo trailer, eu realmente espero algo maravilho, emocionante e que complemente minha experiência com essa obra. Esse livro foi lançado em 2001 pela Editora Ática, no Brasil, ou seja, é difícil de encontra-lo, então se por acaso você tropeçar com ele em algum lugar, não hesite em leva-lo pra casa.

(Atualizado em 15/09/2016)- PS. O livro acabou de ser relançado pela Editora Novo Conceito. Confira Aqui



Entre outras palavras O Chamado Monstro é “a personificação do medo, ou seria realidade da aceitação?

“As histórias nem sempre tem finais felizes” (p.144).


Confira abaixo o mais novo clipe do filme que foi inspirado nesse livro:





SKOOB: 4,4 Estrelas
GOODREADS: 4,29 Estrelas

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Instagram