Resenha: A Improvável Jornada de Harold Fry - Rachel Joyce

maio 24, 2016 / Redação SOODA /


A Improvável Jornada de Harold Fry (The Unlikely Pilgrimage of Harold Fry)
Editora: Suma das Letras (Grupo Cia. das Letras)
Ano: 2013
04 Estrelas

Vencedor do britânico National Book Award na categoria de melhor livro de estreia e finalista do prestigiado Man Booker Prize, A improvável jornada de Harold Fry, de Rachel Joyce, tem como temas centrais os sentimentos de amor, amizade e arrependimento. A autora conta a história do aposentado Harold Fry que numa manhã de sol sai de casa para colocar uma carta no correio, sem imaginar que estava começando uma jornada não planejada até o outro lado da Inglaterra. Ao receber uma carta de Queenie Hennessy, uma velha amiga com quem não tem contato há décadas, Harold Fry descobre que ela está em uma casa de saúde, sucumbindo ao câncer. Então, escreve uma resposta rápida e, deixando sua mulher com seus afazeres, vai até a caixa postal mais próxima. No caminho, tem um encontro casual que o convence de que ele deve entregar sua mensagem para Queenie pessoalmente. E assim começa a peregrinação improvável de Harold Fry.Determinado a andar 600 milhas de Kingsbridge à Berwick-upon-Tweed, acredita que enquanto caminhar, a amiga estará viva. Ao longo do caminho, ele encontra personagens fascinantes, que o trazem de volta memórias adormecidas: sua primeira dança com a mulher Maureen, o dia do seu casamento, a alegria da paternidade. Todos os resquícios do passado vêm correndo de volta para ele, permitindo-lhe conciliar as perdas e os arrependimentos.

Autora: Rachel Joyce É britânica ganhadora do prêmio Specsavers National Book Awards em 2012 na Inglaterra, participa de projetos de rádio e tv na BBC, além disso a autora já publicou outras obras, uma delas também já foi publicada aqui no Brasil sob o titulo de "Operação Perfeito".



Você já se pegou refletindo sobre a vida, se questionando se você já fez o suficiente pelas pessoas ao seu redor? ou teve a impressão de estar utilizando a sua vida como um passeio? Talvez aos 14 ou 15 anos de idade, é menos improvável que isso já tenha passado pela sua mente, mas para alguém acima dos 30, talvez, imagine acima dos 65 que é o caso do nosso protagonista do livro "À improvável jornada de Harold Fry".

"Ela se lembrava, após todos esses anos. E mesmo assim ele havia vivido aquela vida ordinária, como se o que ela tinha feito não significasse nada" (p. 15)



"A Improvável Jornada de Harold Fry" conta a história de Harold, um senhor de 65 anos, aposentado que tem vivido os seus últimos anos de forma bem apática, basicamente passava o dia todo sentado em uma cadeira observando o tempo passar. Ele era casado com Maureen, uma senhora que possuía a mesma idade, e que era um pouco rabugenta (na verdade, bem rabugenta mesmo) e passava o dia reclamando das atitudes de Harold... reclamando da vida, na verdade...

Porém, um dia Harold recebe a carta de Queenie, uma senhora que trabalhou com ele a alguns anos atras, porém foi demitida, por ter feito algo, que até hoje não fazia sentido. Na carta ela dizia que estava com Câncer e pronta para morrer. Parece que isso foi um tino para Harold, sem explicação ele começou a remoer um monte de coisas na cabeça, e então resolveu escrever uma carta.

Ao levar a carta ao correio, Harold parou num posto de gasolina, e conheceu uma jovem e acabou por contar o que está fazendo, nisso a jovem falou um pouco da sua experiência de vida, possibilitando que Harold tivesse um outro tino, porém bem mais maluco que o primeiro. Harold decidiu ir até a amiga se despedir (ou algo assim), porém ele decidiu que faria isso a partir de onde ele estava, até aí vocês me dizem, ok mas o que tem de estranho nisso? Ele resolveu fazer essa jornada a pé. Mas não foi simplesmente resolver fazer uma jornada a pé. Ele não tinha celular, só levou o cartão de crédito, e nunca tinha feito uma caminhada dessa magnetude. Ele decidiu percorrer 800 km da cidade dele de Kingsbridge até Berwick (800 KILOMETROS, JUSUIZZZZZ).

A jornada ele começou muito bem para quem tem 65 anos, mas logo ele começou a sentir seus joelhos, pernas, bolhas começaram a surgir... Enfim, a natureza nessas horas não costuma ser nada favorável (não tá tranquilo, não tá favorável). Porém, ao longo do caminho ele acabou conhecendo novas pessoas, passando por poucas e boas, além de deixar a mulher preocupada. Aí vocês se perguntam, Harold conseguiu concluir a jornada? o que aconteceu? A mulher dele seguiu na jornada também? Só lendo para saber esses detalhes (Muááááááhauhauahuaha).



Esse livro é recheado de ensinamentos, porém vale ressaltar que eles não são nada diretos, algumas vezes até são, mas o sentimento por ele se torna mais profundo quando você consegue enxergar o interior das palavras, as linhas obscuras e não escritas, mas que estão lá. E isso a autora soube fazer muito bem, não deixando a sua mensagem, como um livro de auto-ajuda, e sim como momentos de reflexão entre você e a história (e quem sabe a vida).

A jornada de Harold, muito se assemelha a uma vida completa (em tamanho micro é claro), onde ele passa por várias experiências, sensações sentimentos, conhece pessoas que ajudam ele a seguir, a continuar a da forças. Ele passa por momentos de muito estresse, passa por momentos muito felizes (lembra que isso é uma vida), ele aprende, alias um dos grandes pontos nessa história é o seu aprendizado, porque afinal, não é porque ele tem 65 anos que ele tenha deixado de aprender, inclusive, eu particularmente acredito que uma de nossas funções aqui na Terra é aprender, seja com o próximo, seja com você mesmo.

Além disso, Harold usa essa jornada para refletir, levando-se em consideração que ele passava horas e horas com ele mesmo, então colocou em pauta na sua mente, tudo pelo que ele ja passou, seja com a esposa, filho, o trabalho, foi um intenso momento de ele reler as páginas da vida dele, e não se enganem, nunca é tarde para isso. E o que é mais interessante é que essa história de jornada, no afetou somente ele, mas sua familia também. Claro que no inicio sua esposa ficou transtornada, mas depois ela começou a refletir sobre o casamento, a vida, o filho, e o que levou Harold a fazer isso. E ele teve ajuda do vizinho para trazer a tona essa mensagem.



Quando a história termina, você está embebido de reflexões, pelo menos a maioria das pessoas podem se sentir assim, é uma história que não vai passar despercebido no cerne da sua alma, vai ter trazer uma experiência que talvez possa te surpreender, afinal A Improvável Jornada de Harold Fry é "Um jornada de reflexão da vida sentida e da vida realizada, onde todos nós deveríamos passar por esse balanço geral, pelo menos uma vez em nossa história".

"Você se levantou e fez alguma coisa. E se tentar encontrar um caminho sem nem saber se consegue chegar lá não é um pequeno milagre, então não sei o que é" (p. 235)

Skoob: 3,8 Estrelas
Goodreads: 3,88 Estrelas

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Instagram