[Semana Jovens Adultos] Resenha: Redoma - Meg Wolitzer

junho 08, 2016 / Redação SOODA /

Redoma (Belzhar)
Escritora: Meg Wolitzer
Editora: Selo Globo Alt (Editora Globo Livros)
Ano: 2015
05 Estrelas

Considerado o melhor livro jovem de 2014 pela Time se inspira no clássico autobiográfico de Sylvia Plath para falar sobre a dor da perda e a busca pela aceitação na adolescência
Se a vida fosse justa, Jam Gallahue estaria vivendo sua vida tranquila em Nova Jersey, assistindo a séries de comédia e abraçando seu namorado, Reeve Maxfield. Ela não estaria infeliz e sem vontade de se levantar da cama, nem estaria em um internato para adolescentes “emocionalmente frágeis”, com uma colega de quarto esquisita. Mas a vida não é justa, Jam perdeu seu primeiro amor e está completamente perdida.
A mudança de escola parece a única possibilidade de recuperação para a garota, que passou quase um ano mergulhada em tristeza. No entanto, ela odeia a nova rotina e decide levar tudo com o menor esforço possível. Por isso, Jam fica bastante surpresa quando descobre que foi selecionada para a exclusiva e lendária aula de “Tópicos Especiais em Inglês”, da misteriosa Sra. Quenell.A turma tem mais quatro estudantes, todos com histórico de traumas ainda piores que os de Jam. Mesmo assim, a professora parece não se importar com a fragilidade de seus alunos quando escolhe o livro que trabalhará durante o semestre: A redoma de vidro, de Sylvia Plath. O romance, que narra a série de eventos que levariam a estudante Esther Greenwood a um colapso nervoso, parece a opção mais improvável, e talvez inadequada, para adolescentes que ainda estão superando experiências difíceis.Além das discussões sobre o livro, cada aluno tem a tarefa de escrever em um diário entregue pela professora. E é esse trabalho que leva Jam e seus amigos desajustados à Redoma, um lugar misterioso onde o passado pode ser revivido, e cada um dos alunos pode rever sua vida antes do momento traumático que levou ao internato. Repleto de referências ao clássico de Sylvia Plath, Redoma é um romance sobre o primeiro amor, o sofrimento profundo, o amadurecimento e os problemas de aceitação na adolescência. É também uma história sobre como a amizade pode ajudar a superar os piores traumas da vida.

Autora: Meg Wolitzer a autora norte-americana já ganhou alguns prêmios com as suas obras inclusive com "A Redoma".



Resenha: Dizem que a Literatura não muda o mundo, não munda as pessoas. Dizem que a escrita não faz ninguém melhor, pode até ser, mas em "A Redoma" isso se contraria, e posso garantir para vocês, na minha vida também.

O livro conta a história de Jam, uma adolescente de 17 anos que sofre com a perda, alguém que ela considerava muito acabou falecendo, e ela então ficou muito triste, não conseguia fazer mais nada. Dessa forma, seus pais a encaminharam para o Celeiro, uma espécie de escola para adolescentes abalados emocionalmente.

Logo, ela conhece a DJ, uma jovem que acaba tendo um relacionamento homoafetivo durante a sua estadia no Celeiro, passando por aquele problema clássico da aceitação dos pais. Enfim, ela foi a primeira adolescente a saber que Jam faria parte da Turma de Tópicos Especiais em Inglês, uma turma super restrita, onde a professora escolhia a dedo os seus alunos, e estudam somente um autor, durante todo o ano.

Ao chegar em sua primeira aula, Jam conhece outros quatro jovens, Casey, Griffin, Marc e Sierra. Todos eles estavam em uma situação de alta vulnerabilidade emotiva. Na primeira aula, eles se mantiveram relativamente calados, então a professora se pôs a explicar de que forma essa aula aconteceria.

Durante o curso, os alunos estudariam somente um livro: A Redoma de Vidro de Silvia Plath, tal como a vida da autora, e seus poemas. Os alunos, inicialmente acharam estranho a escolha de uma autora que se matou aos 30 anos de idade, com uma história bem depressiva. A escolha da professora tinha uma razão para isso. Além disso, ela entregou um diário a cada aluno,o qual eles deveriam escrever cinco páginas por dia durante duas vezes na semana.



Quando os alunos começaram a escrever no diário, eles perceberam que poderiam ficar imersos numa Redoma, uma metáfora utilizada pela autora, no qual os alunos ao escreverem no diário, sentiam que poderiam estar de volta em seus momentos felizes da vida, e assim esqueceriam os seus traumas. Com toda essas circunstâncias, vocês acham que os alunos estavam melhorando, ou piorando entrando em suas redomas pessoais? Difícil dizer.

Nesse momento, quem entra na Redoma somos nós, que não conseguimos mais largar o livro. Vamos percebendo como esses alunos se unem, se aproximam, criam circunstâncias que só fazem bem a eles, mesmo sem perceberem. Eles observam que os seus problemas não é melhor ou pior do que o de ninguém, que todos estão em situações graves, todos tem problemas e tudo isso precisa ser superado.

A autora consegue intercalar muito bem essas discussões, dentro e forma da Redoma, fazendo com que a gente também fique interessado em ler "A Redoma de Vidro". Como eu ainda não li, fiquei com aquele gosto de que preciso agoraaa...

O desenvolvimento dos personagens são bem construídos, apesar de que o romance que surge entre a protagonista e um dos jovens emocionalmente abalado, pra mim não fez muito sentido, preferia que continuasse na "Friend Zone", mas OK, se aconteceu, vamos shippa-lo... heheheheh



Ao modo que a história cresce chega o momento em que o diário está acabando, ai vocês começam a se perguntar, será que esses adolescentes vão conseguir se manter sem essa redoma? ou precisarão de uma fuga eterna da realidade? Isso, você só vai descobrir lendo a história... Muáááááhuahauha

Gente, quando a gente descobre o que de fato aconteceu com a vida de Jam, confesso que fiquei boquiaberto, eu nunca desconfiaria disso, e claro foi ratificado a presença dela no Celeiro, afinal, que confesso que ainda não estava convencido de que uma garota esta com um sofrimento a mil, por causa de alguém que conviveu por 41 dias, o que me faz pensar ainda mais, que não devemos julgar os outros pelos problemas que eles possuem, mas podemos jugar a nós mesmos, pelos nossos próprios problemas, com certeza seremos pessoas bem melhores.

Outro detalhe muito bacana desse livro é que quando descobrimos as motivações da professora de ter realizado essa metodologia, e assim ajudado muitas pessoas a passarem por suas perdas, vocês passamos a adora-la (Melhor Teacher).

Esse livro mexe com a gente, nos joga numa Redoma para encarar essa história, e assim tirar um aprendizado emocionante e significativo levando para todos os dias de nossas vidas, com trauma ou sem trauma. Dessa forma, nós poderemos ser pessoas mais fortes e ligados ao meio em que vivemos. Termino essa resenha, acreditando que "A Redoma" me tornou uma pessoa melhor, uma pessoa que acredita que nossas reflexões, poderão nos fazer seres humanos capazes de nos apoiar uns aos outros, sem precisar se prender numa Redoma eterna de vida.

Skoob: 4,1 Estrelas
Goodreads: 3,45 Estrelas
E Não se esqueçam galera, no próximo dia 12/06, teremos evento em Belém do Pará abordando os Romances YA.



Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Instagram