Resenha: O Orfanato da Sra. Peregrine para Crianças Peculiares - Ransom Riggs

julho 19, 2016 / Redação SOODA /


O Orfanato da Sra Peregrine para Crianças Peculiares (Miss Peregrine's Home for Peculiar Children)
Editora: Leya
Autor: Ransom Riggs
Ano: 2012
04 Estrelas

O livro que deu origem ao filme de Tim Burton! Com estreia marcada para setembro deste ano, o trailer começou a circular nas redes sociais em 15 de março e, até agora, já teve mais de 2,5 milhões de visualizações. Eleito uma das 100 obras mais importantes da literatura jovem de todos os tempos, O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, é um romance que mistura ficção e fotografia. A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo - por mais impossível que possa parecer - ainda podem estar vivas. Traduzido para mais de 40 idiomas.

Autor: Ransom Riggs é americano formado em Literatura Inglesa. O Orfanato da Sra. Peregrine é a sua primeira série de livros e foi escrita, a partir do seu amor por fotografias antigas.



Porque eu digo “O Orfanato da Sra. Peregrine para Crianças Peculiares” é uma fábula contra o preconceito?

De acordo com algumas definições de preconceito no Google, uma dela diz que preconceito é “qualquer opinião e sentimento concebido sem exame critico”, ou seja, é quando exprimimos qualquer coisa sem parar e pensar um pouco. Assim acontece, com os homosexuais, com os negros, com as mulheres, com os deficientes, com os peculiares... Opa, esse último não existe. Mas e se existisse? Será que não seria assim?

O orfanato da Sra. Peregrine para Crianças Peculiares, conta a história de pessoas que nasceram com alguma peculiaridade, que os tornaram diferentes do resto da sociedade. De acordo com a história contada pela Sra. Peregrine. Eles sempre existiram, mas foram motivos de medo e chacota do resto da sociedade. Com o tempo eles foram sendo dizimados, como na inquisição, por exemplo. Enfim, hoje existem poucos deles que agora vivem em Fenda Temporal, Um loop: um dia na história da humanidade que se repete para eles eternamente, Ou teoricamente, para sempre.



A história do livro já nos coloca, de modo que a gente entenda o preconceito imerso no enredo. Tudo começa quando o avô de Jacob, personagem que narra o livro, conta história para o seu neto, de crianças que possuem peculiaridades, como levitar, toca fogo com as mãos, premonições através de sonhos. Segundo o avô de Jacob, ele vivera com essas crianças por muito tempo.

Jacob quando criança ficava impressionado com as histórias, porém ele crescera e não acreditava nada daquilo, mesmo que seu avô apresentasse as fotos para ele (que compõem o livro) ele se recusava pensar naquilo como verdade, até que seu avô morre de um modo muito estranho, e ele então vê uma criatura com várias línguas, um Etéreo.

Ele acha que está louco, porém após vê fotos do orfanato de seu avô, durante a guerra, ele convence a seu pai a viajar com ele no país de Gales para conhecer o orfanato, até que finalmente ele acha, com a ajuda de Emma, uma garotinha que põe fogo com as mãos o leva pela fenda temporal e apresenta o mundo dos peculiares. Ele se sente confuso e triste por não ter acreditado em seu avô, por te sido preconceituoso.



Ele então após entender como as crianças viviam ali com a sra. Peregrine, começa a ter menos preconceito com os pequenos, tal como eles com ele, afinal Jacob é “um ser humano, normal” em relação a elas.

Com os dias se passando, ele descobre que o mundo peculiar está totalmente instável, porque antigamente, vários peculiares fizeram experiências, por que não queriam ficar análogos a sociedade, se portaram como uma resistência, só que com essas experiências eles se tornaram algo perigoso, para os próprios peculiares e agora tinham um plano maior, isso incluía destruir o mundo peculiar. E mais uma vez o preconceito do homem aparece como vilão para transformar o mundo dos peculiares.



Viram só o que eu disse no inicio?

Os homens que não compreendiam a essência dos peculiares, acabaram por agir usando o preconceito indiscriminado, pulverizando ódio e causando mortes, e posteriormente, causando o que seria uma experiência desastrosa entre os próprios peculiares que queriam continuar no mundo normal, sem ter que viver nesse Loop.

E hoje em dia é o que tem acontecido em nossa humanidade, um grupo majoritário não aceita as minorias, não aceita os negros, não aceita os homosexuais, não aceita direitos as mulheres. E porque? Simplesmente, pela sua condição humana e biológica, por medo da humanidade se findar, ser dominada pelas “minorias” (de direitos).

Porém, o que esse grupo majoritário ainda não percebeu é que isso acaba gerando que as minorias fiquem acuadas e a margem da sociedade, o que é triste, tornam as pessoas invisíveis, como se elas vivessem em outro mundo (ou pelo menos tentam). E também geram resistências odiosas, que pregam o mesmo discurso avesso. No final, todos perdem, devido à intolerância. Foi assim que percebi que a ficção de Ransom Rigs bebeu muito da fonte de realidade.



Além disso, foi bem interessante como o autor passeou um pouco pela sensação de medo da Segunda Guerra Mundial, talvez maior exemplo de preconceito e intolerância no mundo, e o uso das fotografias para a construção da história, tornou tudo mais verossímil e apaixonante. É difícil não terminar a história se apaixonar. Porém vale ressaltar, que essa não é uma história de terror e às vezes, algumas pessoas se decepcionam por isso.

Cheguei ao final com muita vontade de ler mais sobre esse mundo, e confesso para vocês, não me arrependi com a continuação, foi melhor que a primeira história, trouxe a minha teoria da fábula contra o preconceito de forma bem mais abrangente, porém mais detalhes na resenha da continuação, hehehehehe.


Além disso, to bem curioso para saber o que Tim Burton fez com essa história, pelo que eu vi no trailer, houve mudanças consideráveis, mas a essência que o autor quis passar, parece estar presente, vamos acompanhar a cena dos próximos capítulos.



Então o Orfanato da Sra. Peregrine para Crianças Peculiares é para:


  • Amantes de x-men, ou personagens com poderes sobrenaturais;
  • Quem gosta de fantasia YA, como Rainha Vermelha, Uma Chama Entre as Cinzas, entre outras;
  • Quem gosta de uma escrita simples, e finais clichês;
  • Pessoas que queiram discussões contra o preconceito;
  • Pessoas que gostam de imagens mesclando com a história;


SKOOB:4,2 Estrelas
GOODREADS: 3,84 Estrelas

Ajude o blog a crescer comprando no link abaixo:

Recomendado Para Você

4 comentários

Comente com o Facebook

Instagram