Resenha: Labirinto - Jim Henson e A.C.H.Smith

setembro 29, 2016 / Redação SOODA /

Clássico dos anos de 1980, filme estrelado pelo astro David Bowie chega a mãos dos leitores brasileiros para que possamos nos perder eternamente nesse fantástico Labirinto



Labirinto (Labyrinth)
Autores:Jim Henson e A.C.H.Smith
Editora: Darkside Books
Ano: 2016
Skoob: 4,5 Estrelas| Goodreads: 4,1 Estrelas
Compre Aqui
04 Estrelas

udo começou em um pequeno labirinto real na cabeça de James Maury, mais conhecido pelo nome de Jim Henson. O cartunista, músico, roteirista, designer e diretor sabia acessar como ninguém o coração das pessoas e o seu maior dom foi dar vida a seres inanimados. A nova geração pode não lembrar do seu nome, mas com certeza tem seus personagens gravados na memória: Os Muppets, Vila Sésamo, Muppets Babies e até a inesquecível Família Dinossauro. Além deste, Henson também criou fábulas como Labirinto, em parceria com George Lucas, filme que encantou toda uma geração quando foi lançado, há 30 anos, com David Bowie como Jareth, o Rei dos Duendes, e também responsável pela trilha sonora, e uma jovem Jennifer Connelly no papel de Sarah, a protagonista que deseja que os duendes levem Toby, seu meio irmão e – para seu espanto – é atendida. Arrependida, ela é desafiada pelo Rei dos Duendes a atravessar o sombrio Labirinto, repleto de perigos e seres mágicos. A novelização de Labirinto finalmente é publicada em português, em uma edição à altura do mestre. Escrita por A.C.H. Smith em parceria com Henson, a edição apresenta pela primeira vez as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do seu diário, detalhando a concepção inicial de suas ideias para Labirinto, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo.

Autor: A.C.H. Smith é um escritor e dramaturgo inglês. Sua obra inclui mais de doze romances e vinte peças teatrais. Smith se especializou na novelização de roteiros cinematográficos, entre eles as versões literárias de dois filmes de Jim Henson, Labirinto e O Cristal Encantado. Para adaptar Labirinto, A.C.H. Smith se divertiu bastante consultando o roteirista original do filme, o Monty Python Terry Jones, e incluiu no livro cenas cortadas do longa-metragem.



Hoje nós vamos falar um pouco sobre essa obra maravilhosa, lançada pela editora DarkSide Books em agosto de 2016. Essa história é a novelização do filme Labirinto, de 1986, um filme que marcou uma geração e que ainda continua encantando várias pessoas, de todas as idades e que, vale mencionar, possui uma trilha sonora incrível, se você ainda não assistiu não sabe o que está perdendo ;)



Labirinto narra as aventuras de Sarah, uma jovem de 15 anos que mora com o pai, a madrasta e seu meio irmão Toby, que ainda é um bebê. Sarah se sente um pouco excluída em sua casa, por entender que todas as atenções são direcionadas a Toby, fazendo com que se sinta desprezada e ressentida com o irmão. A mãe de Sarah é uma atriz de sucesso e ela sonha em seguir os passos da mãe, então começa a praticar sua atuação através das falas de um livro sobre duendes cujo titulo é Labirinto.

Enfrentando perigos indizíveis e dificuldades sem conta, lutei para percorrer o caminho até aqui, ao castelo para além da Cidade dos Duendes, para levar de volta a criança que você roubou. (p.14)


Certo dia, após ter treinado suas falas, Sarah chega em casa e é recepcionada pela madrasta que lhe dá a tarefa de cuidar de Toby enquanto ela sai com o marido. Sarah fica muito irritada por ter que cuidar do irmão e quando Toby começa a chorar incessantemente ela se vê desesperada e diz as palavras contidas no livro Labirinto para que o Rei dos Duendes leve seu irmão, porém o que ela não imaginava é que aquelas palavras de fato tivessem esse poder e que seu desejo seria realizado.

Eu desejo que os duendes realmente venham e levem você embora... agora. (p.28)


Sarah se arrepende imediatamente pelo que desejou e então Jareth, o Rei dos Duendes (que no filme é interpretado pelo maravilhoso David Bowie), lhe oferece um desafio: ela deve percorrer o labirinto e chegar até o seu castelo em 13 horas, se ela falhar seu irmão será transformado em duende.



O Labirinto é um lugar traiçoeiro, que muda de posição, cheio de perigos e criaturas a serviço do Rei, sendo praticamente impossível que decifrar. Sarah, porém está disposta a correr os perigos para salvar o irmãozinho. E começa então sua jornada a caminho da cidade dos duendes, para confrontar o Rei dos Duendes e recuperar Toby.



No decorrer da narrativa somos apresentados a alguns personagens marcantes e que desempenham importante papel no desenvolvimento da história. Os principais são Hoggle, um duende ranzinza, mal humorado e interesseiro, que está a serviço do Rei dos Duendes e que acaba sendo cativado pela Sarah, tornando-se seu amigo e guia na travessia do labirinto. Ludo é uma criatura imensa e ao mesmo tempo meiga que é salvo por Sarah e segue protegendo-a, sendo um grande aliado e amigo, é uma relação extremamente meiga e acredito que seja um dos personagens mais queridos.

Como se poderia esperar que ela tivesse algum respeito por Jareth? É óbvio que ele era perigoso e poderoso, mas ele tinha plena consciência disso, até demais: um exibicionista, na verdade; e, quer dizer, um trapaceiro. Ele tinha certo estilo, isso Sarah conseguia admitir. Ele era até bonito. (p.89)


No começo da leitura eu achei a Sarah extremamente mimada e um pouco irritante, o que é até algo com que podemos nos relacionar em uma situação em que temos que aprender a dividir as atenções com um irmão mais novo e mais fofo, hahaha, porém com o decorrer da narrativa ela vai amadurecendo bastante e isso é algo muito legal de ler, porque ela começa a enfrentar seus medos e se mostra valente, companheira, fiel e inteligente, com todas as dificuldades que ela enfrenta e todos os desafios que surgem, ela segue em sua busca de forma determinada, ela não se deixa abater, não está disposta a perder para o Rei dos Duendes.

Ela percebeu que estava sorrindo e levou um instante para entender por quê. Então, compreendeu o motivo, como a um enigma que nunca mais a enganaria. Nada era justo. Se você esperasse justiça, sempre se decepcionaria.(p.83)


Toda a ambientação criada nessa história, essa atmosfera fantástica nos remete a nossa infância, mexe com a nossa imaginação de forma que a leitura se torna rápida e prazerosa, sendo recomendada para todas as idades.



EDIÇÃO DA DARKSIDE BOOKS: Agora precisamos falar sobre essa edição da DarkSide, que mais uma vez nos presenteia com um livro de qualidade excelente, a capa do livro é a mesma que aparece no filme quando a Sarah está lendo “Labirinto”, tem uma textura diferente, meio aveludada, possui boa diagramação e um acabamento muito bom. O que eu achei ainda mais maravilhoso é que no final do livro tem uma galeria de ilustrações dos duendes feitas pelo Brian Froud, que trabalhou no filme, além dessa galeria, essa edição traz também partes do diário de criação de Jim Henson, onde são apresentadas as ideias iniciais para a criação do filme, como ele imaginou os cenários, os personagens e até mesmo os títulos provisórios que ele criou para o filme. É uma edição para deixar qualquer fã do filme babando e totalmente apaixonado por esse livro.



Dessa forma recomendamos esse livro para:

  • Fãs do filme; 
  • Amantes de fantasias infanto-juvenil; 
  • Pessoas apaixonadas por filmes de 1980.

Esse livro doado pela Editora Darkside Books para resenha.

Recomendado Para Você

1 comentários

Comente com o Facebook

Instagram