Resenha: Vingança Diabólica - Stephen Gilbert

fevereiro 06, 2018 / Rafael Lutty /

O retrato de uma mente doentia e da sua relação com os roedores que rasgam um corpo, com a mesma facilidade que destroem uma folha de jornal.




Há algum tempo atrás, eu decidi pesquisar autores de livros de terror/suspense, que são praticamente desconhecidos dos leitores hoje em dia, e nesta viagem literária eu me deparei com vários autores dos quais virei profundo admirador. Foi a vez de – finalmente – me deparar com a novela de Stephen Gilbert. Meu primeiro contato com esta história foi através do filme “Willard” (A Vingança de Willard, no Brasil), adaptação do livro para os cinemas em 2003, com o ator norte-americano Crispin Glover no papel do protagonista. Fui descobrir vários anos depois, que o filme era a adaptação de um livro que eu, na época, acreditava nunca ter sido lançado no Brasil. Recentemente, decidi rever o filme, e ao pesquisar sobre descobri que se trata de um remake do filme homônimo de 1971, não fosse a surpresa desta descoberta, descobri também, que o livro foi lançado no Brasil pela extinta editora Círculo do Livro, e facilmente consegui um exemplar usado pela internet.

Publicado originalmente com o título Ratman’s Notebooks, aqui no Brasil o título foi traduzido para “Vingança Diabólica”. E ao terminar a leitura, ambos os títulos acabam por fazer sentido. O jovem protagonista da novela escrita por Gilbert, era o herdeiro de uma grande empresa, porém, após o falecimento de seu pai, fundador e diretor da empresa, a mesma foi comprada pelo sócio Sr. Jones e o jovem foi obrigado a viver em um casarão com sua mãe e presenciar o declínio de sua família e seu estilo de vida, enquanto continuava a trabalhar na empresa sob as humilhações do novo proprietário.



A história é contada a partir das anotações do rapaz, que não é nomeado em momento algum, em seu diário. Portanto, o leitor é conduzido pela perspectiva do protagonista. A narrativa vai gradualmente conduzindo o leitor pela mente de um personagem angustiado e cada vez mais próximo de um colapso. Ele passa a alimentar os ratos que infestam a estufa no jardim, treina-os e acaba por se aproximar do pequeno rato Sócrates, um roedor inteligente, por quem o narrador possui profunda amizade. Com seu exército de ratos cada vez maior, o rapaz vê a oportunidade de vingar-se de todos aqueles que lhe fizeram mal, principalmente de seu chefe Sr. Jones.

Por se tratar de uma novela curta, que você consegue facilmente ler em um único dia, não é possível aprofundar esta resenha em detalhes da trama, sem flertar com os spoilers, mas existem algumas características muito interessantes para se analisar na história. O fato de que a maioria dos personagens não são nomeados, em contraste com o nome que o protagonista coloca nos ratos, deixa subentendido que a relação do narrador com os roedores é vista de modo mais importante do que as relações humanas.


No que diz respeito as adaptações para o cinema, no filme de 1971, dirigido por Daniel Mann, temos o ator Bruce Davison na pelo do jovem – que foi nomeado no filme – Willard. No remake de 2003, quem interpreta Willard é o ator norte-americano Crispin Gloover, e o filme conta com a direção de Glen Morgan. Particularmente, tenho preferência pelo filme de 2003, que considero mais bem adaptado, embora seja um filme esquecido por todos.

Sobre o autor Stephen Gilbert, Ratman’s Notebooks foi sua quinta e última novela. Ele começou a ambicionar sua vida literária, aos 19 anos, ao conhecer o romancista Forrest Reid em 1931, que tinha 56 anos na época. Em suas novelas, Forrest deixa implícito seu fascínio com jovens garotos, e ele viu em Gilbert sua fonte de inspiração. O relacionamento dos dois que – ao que parece – nunca foi explícito, foi por vezes conturbado até a morte de Reid em 1947. No romance Brian Westby, Reid retrata uma versão idealizada de seu relacionamento com jovem Gilbert. A resposta veio cinco anos depois da morte de Reid, na novela The Burnaby Experiments lançada em 1952, em que Gilbert relata o relacionamento dos dois de seu ponto de vista, de modo disfarçado.



Gilbert faleceu em 2010, com 97 anos, e deixou Kathleen Stevenson com quem foi casado 65 anos, e teve quatro filhos. No Brasil, o autor é desconhecido das novas gerações, embora sua novela sobre o jovem (Willard) e os roedores, destaque-se como um dos pioneiros nessa temática, na literatura de terror e suspense.


Ficaram interessados? Adquira o livro clicando na capa acima, e ajude esse lindo blog a crescer!
Vingança Diabólica (Ratman's Notebooks)
Autor: Stephen Gilbert
Editora: Circulo do Livro
Ano: 1970
Skoob: 3.4 Estrelas / Goodreads: 3.8 Estrelas
Compre Aqui: Amazon (versão inglês), Saraiva, Submarino
04 Estrelas
Ratos... A mãe avisa que há ratos no jardim. Dessa maneira, praticamente, inicia-se uma das mais estranhas, angustiantes e bizarras crônicas na história sobre a relação entre o homem e a besta.
Autor: Stephen Gilbert foi um novelista irlandês, autor de cinco novelas, das quais a última foi Ratman’s Notebooks, lançada no Brasil como “Vingança Diabólica” e adaptada para um filme de 1971 intitulado Willard, e para um remake homônimo de 2003. O Autor faleceu em 2010, aos 96 anos.

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Todas As Postagens

Resenha

Soodacast

Instagram