Especial: Como gastar pouco em sua viagem para Belém do Pará

julho 11, 2018 / Redação SOODA /

Veja algumas dicas para você que tem vontade de conhecer as cidades das mangueiras, mas possui poucos reais no bolso


Não custa nada para admirar essa paisagem da Pedra do Peixe no Mercado do Ver-o-Peso.

Diferente de muitos anos atrás, chegar em Belém não é mais tão demorado assim. De São Paulo para cá, são 3 horas de avião. Metade de uma viagem de ônibus Rio - São Paulo. Porém, essa quase ponte-aérea para a capital paraense ainda é um pouco cara. Fazendo uma simulação rápida de uma viagem para daqui há um mês, saindo de São Paulo para Belém, o custo dela fica na faixa dos R$ 525,00 à R$ 650,00. Um preço um pouco salgado, se comparado com a maioria das cidades do sul do país, ou do nordeste. Mesmo assim, Belém pode entrar na sua rota de viagem, por ser a cidade mais acessível e barata da região Amazônica. E pode ficar ainda mais barata, saiba como:

UMA CIDADE DE FÁCIL LOCOMOÇÃO: A capital paraense pode não ter o melhor transporte do Brasil. Mas facilmente é possível se deslocar aos principais pontos turísticos da cidade. A maioria deles fica no eixo Cidade Velha/Campina/Nazaré. A grande maioria das linhas de Belém fazem o trajeto Bairro - Ver-o-Peso, Bairro - Presidente Vargas, Bairro - Pátio Belém. Para isso fique de olho. Se você estiver em hotéis que ficam na Presidente Vargas, é só descer a Avenida, que depois de 2 km você já está na área do Ver-o-Peso. Agora se o seu hotel estiver em São Brás, Nazaré ou Governador José Malcher, é necessário você ir até uma parada da Governador José Malcher e pegar qualquer ônibus Ver-o-Peso, ou Presidente Vargas. Pronto. Rapidamente você estará nos principais pontos turísticos da cidade. Os ônibus custam, na sua maioria, R$ 3,30. Então se você separar R$ 15,00 por dia, talvez seja o necessário para fazer os seus deslocamentos pelos principais pontos turísticos da cidade.

Parada de ônibus do Ver-o-peso: a concentração de transporte urbano nessa área é grande, para qualquer canto da cidade

DE UBER É AINDA MAIS FÁCIL: Se andar de ônibus em Belém é fácil, se a sua escolha for o famoso aplicativo de celular, será ainda mais tranquilo. A grande maioria dos deslocamentos dificilmente passará dos R$ 20,00 (não esqueçam de ver a dinâmica do app de vocês). Se você quiser ir mais longe, que é o caso de Icoaraci, aí sim gastará na faixa dos R$ 35,00 a R$ 40,00. Ou ainda se quiser ir pra Mosqueiro. Aí o preço irá lá pras alturas. Nesse caso, a recomendação é usar um ônibus urbano para Mosqueiro que custa R$ 5,30, e por lá, pegar uber para fazer pequenos deslocamentos.

PREFIRA AIRBNB: Você ainda tem dúvidas se Airbnb é uma boa escolha de hospedagem? Na verdade não tenha, porque é. O site é um local, onde pessoas que moram na cidade oferecem quartos, ou às vezes até o apartamento inteiro para que outras pessoas se hospedem. Apesar de qualquer pessoa poder se cadastrar, existe um rigoroso processo para ser aprovado e se manter no site.

Aqui em Belém, muitos dos quartos e locais de hospedagem são muito bons, e a maioria deles bem localizado e com bons preços, em relação ao AIRBNB em outras cidades. É possível você encontrar bons espaços com diárias a partir de R$ 39,00, no centro da cidade. Nenhum dos hotéis paraenses tem esse custo X beneficio.

No caso de escolher essa opção de hospedagem, dê preferência aos seguintes bairros: Umarizal, Pedreira, Batista Campos, Reduto, Campina (olhe bem o AP aqui), Nazaré, Marco e São Brás. Outros bairros como Cidade Velha, Cremação, Jurunas e os bairros de Ananindeua, pode ser que tenham boas opções também, mas é preciso olhar com atenção, pois esses locais são limítrofes de áreas um pouco mais perigosas da cidade. Se você escolher um local na faixa dos R$ 60,00 por dia, já deu uma economizada na viagem, né?

No bairro do Umarizal é possível encontrar AIRBNB a partir de R$ 50,00

UMA CIDADE DE MUITOS SABORES, ESCOLHA O MAIS BARATO: Desde 2015, Belém faz parte da rede de Cidade Criativas da UNESCO, devido a sua autenticidade gastronômica, que mescla elementos da comida indígena, portuguesa, africana, e também dos imigrantes que chegaram aqui, como os espanhóis, italianos, japoneses, sírios-libaneses, entre muitos outros. Então, vir para Belém você tem pelo menos uma obrigação: Provar essa profusão de paladares. E Isso pode ser feito com pouco dinheiro.

O Mercado do Ver-o-Peso é um dos lugares que reúne boa parte dessa culinária. Seja pelos ingredientes, como a maniva, a castanha-do-Pará, a farinha (de Bragança), o Tucupí. Ou ainda, pela oportunidade de provar uma das refeições mais típicas da cidade: Peixe frito (ou charque) com açaí. E essa quantidade de alimentos podem ser achadas com preços variados. Mas com R$ 15,00 é possível fazer uma boa refeição típica nas barraquinhas do Veropa.

Ver-o-Peso da Culinária

No horário da tarde é o momento para se empanturrar de Tapioca com manteiga, queijo, leite condensado. Enfim, opções são o que não faltam tanto na área do Portal da Amazônia (Bairro do Jurunas) como o Ver-o-Rio (Sacramenta). Além disso, a tarde também é horário de suar mais um pouco tomando o saboroso e quente Tacacá, uma espécie de sopa com Goma de Tapioca, Tucupí, Jambu e camarão (Hum, chega a manteiga derrete). O local mais famoso para desfrutar essa comida de origem indígena é em frente ao colégio Marista de Nazaré, um dos mais tradicionais da cidade de Belém, que fica próximo a Basílica de Nazaré.

Ok, somando R$ 15,00 na média do almoço mais R$ 15,00 na média do jantar e mais café e lanches. Separar uns R$ 60,00 por dia com alimentação. Tá de bom tamanho né?

PONTOS TURÍSTICOS DE GRAÇA, OU QUASE: Em Belém do Pará, grande parte dos Pontos Turísticos tem entrada franca, ou é possível gastar bem pouco, Confira cinco deles:

Parque Ambiental do Utinga

PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA - 2º Maior Área de Proteção Ambiental em área urbana no Brasil, o local foi reinaugurado em 2018 com várias opções de lazer e contemplação da natureza amazônica. São mais de 4km de pista que pode ser usado para corrida, andar de bicicleta, patins, triciclo e muito mais. Além disso, no Lago Bolonha existe um DECK, o qual é possível contemplar a natureza depois das horas de corrida. E quase tudo gratuito. Apenas algumas opções de lazer ou aventura, como trilhas, tirolesa, boia cross são pagas, e mesmo assim, o seu custo é mais baixo que o padrão dessas atividades. Consulte maiores informações dessas atividades no Facebook da Amazônia Aventura.
COMO CHEGAR: De ônibus: João Paulo II - Ver - o - Peso é a única linha que para em frente ao parque. Outra opção é pegar qualquer ônibus com destino Almirante Barroso - Augusto Montengro/ BR-316 e descer em frente ao Tribunal de Justiça e caminhar cerca de 500 metros até a entrada do Parque do Utinga.

Ilha do Combu

ILHA DO COMBU: Localizado em frente a capital paraense às margens do Rio Gamá, a Ilha do Combu é um imenso refúgio de tranquilidade à vida urbana paraense. Nela é possível tomar um refrescante banho de rio, ou ainda apreciar a natureza e também se deliciar em alguns restaurantes da ilha (prefira os mais baratos). Na ilha também é possível conhecer uma fábrica de chocolate artesanal, e provar as delicias do doce feito na Amazônia. Todas essas atividades são bem mais baratas se você der preferência a restaurantes não tão conhecidos da ilha, ou passeios feitos diretamente com guias, sem a mediação de Agências de Viagens.

COMO CHEGAR: Para chegar a Ilha é necessário fazer a travessia dos portos localizados na Bernado Sayão, ou ainda da Praça Princesa Isabel. Como não existem linhas diretas para a Ilha do Combu, é necessário contactar um barqueiro antes para fazer a travessia. Uma das possibilidades é conversar com o Guia de Turismo Mário Cesar Carvalho que realiza passeios mais em conta para a ilha (Clique Aqui). Para chegar a área de portos da Bernardo Sayão vai depender de qual local você irá pegar o barco em direção a ilha. Boa parte das linhas UFPA, que vão pela Bernardo Sayão contemplam essa área, mas é bom consultar antes.

Forte do Presépio, local onde iniciou-se a ocupação da Amazônia pelos portugueses


FELIZ LUSITÂNIA: Composta pelo núcleo de fundação da cidade de Belém, o Complexo Feliz Lusitânia é formado pelo Forte do Presépio, Casa das Onze Janelas, Coverta Solimões, Igreja de Santo Alexandre, Museu de Artes Sacras, e mais recentemente o Museu do Círio. Nesse local, a história da ocupação portuguesa na Amazônia é mostrada. Desde os conflitos entre indígenas e portugueses, que podem ser vistos no Museu do Encontro. o processo de catequização e incorporação da religião católica, com o acervo do Museu de Artes Sacras. E, também as desconstruções sociais no Museu de Arte Contemporânea da Casa das Onze Janelas. Esses Museus custam em torno de R$ 4,00 a R$ 6,00 cada, mas eles podem ser visitados gratuitamente às terças-feiras.

COMO CHEGAR: Do corredor hoteleiro da Presidente Vargas/Avenida Nazaré, é possível chegar de ônibus se deslocando até a Avenida Governador José Malcher, ou Assis de Vasconcelos e pegar um ônibus em direção ao Ver-o-Peso e descer na praça Dom Pedro II. Algumas linhas de ônibus se deslocam até a área da Cidade Velha.

Praça da Republica/ Batista Campos

PRAÇA DA REPÚBLICA/ BATISTA CAMPOS: Duas praças de Belém urbanizadas na época da Belle Époque, são além de espaço de lazer e diversão, locais para apreciação cultural e compras de artesanatos locais. Na Praça da República, por exemplo, é possível conhecer o imponente Teatro da Paz, e aos domingos visitar a feira que rodeia a praça com venda de artesanato locais, entre outros produtos diversos, com preços bem em conta. Em épocas festivas, nesses locais ainda ocorrem diversas atrações culturais, como o Arraial do Pavulagem nos domingos de junho, e programações natalinas próximo das festividades de fim de ano.

COMO CHEGAR: A praça da República fica em frente a Av. Presidente Vargas, então é possível chegar a pé nela. Assim como a praça Batista Campos, que fica cerca de 500 metros de distância da Praça da República. Se estiver um pouco mais distante, qualquer ônibus que vá em direção a Presidente Vargas, no caso da praça da República e Pátio Belém, no caso da Praça Batista Campos, podem servir para esses deslocamentos.

Ver-o-Peso, onde boa parte da cultura amazônica se converge entre si

MERCADO-DO-VER-PESO: A maior feira livre da América Latina está de braços abertos para receber todo mundo, em seus vários setores. O local é uma profusão de cheiros e sabores. É uma experiência sensorial completa, que funciona, quase que 24 horas por dia. De madrugada a Feira acorda com os barqueiros das regiões da ilha chegando com Açaí e peixe, prontos para serem comercializados. No inicio da manhã é hora de reforçar o estômago com aquele café da manhã especial, e sair visitando todos os setores da feira. Lá é possível comprar desde a sua roupa para a próxima copa do mundo, produtos para o seu almoço paraense (ou não), frutas, chegando até os setores de artesanatos e das erveiras que vão lhe indicar a cura para tudo que você possa imaginar, incluindo a dor do coração partido !

No horário da tarde, você tem a opção de almoçar por lá mesmo, comidas típicas ou não, com preços bem competitivos. Já no final da tarde, inicio da noite, o mercado fica menos movimentado, mas se quiser, porque não tomar uma cervejinha, ou cachaça de jambu antes de terminar o seu passeio? A única dica é que tome cuidado com os trombadinhas nessa área, porque você já está tentando economizar, e com certeza não quer ter menos dinheiro ainda para gastar por aqui.

COMO CHEGAR: Qualquer ônibus que esteja no destino centro em direção ao Ver-o-Peso pode deixa-lo bem na porta da feira. É bem fácil e acessível de chegar.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

- Contrate um bom pacote de internet para o seu celular, pois muitos lugares não disponibilizam WI-FI, e provavelmente você vai precisar para usar aplicativos, ou navegar pelo Google Maps;
- Se você não for ficar em alguma área central, pesquise antes linhas de ônibus, e deslocamentos, se puder, converse com o seu AIRBNB, ou pessoa que for lhe acolher, para saber melhores horários para sair, chegar.
- Em Belém do Pará, nenhuma linha de ônibus funciona 24hs, e assaltos em transporte alternativos são constantes. Então, se for sair a noite, separe uns reais para o UBER/Táxi. Consulte o valor que você vai gastar pra voltar para a sua hospedagem, assim que chegar no espaço onde pretende se divertir;
- Na dúvida, pergunte. Os paraenses, se tiverem a informação, não exitarão em lhe ajudar no que for preciso pra você chegar aonde deseja.
- Não tenha medo de pechinchar, sempre é possível conseguir bons preços assim.

CONCLUSÃO

Numa viagem de 4 dias para a capital paraense, seu orçamento ficaria então assim:

- Hospedagem: R$ 60,00 reais dia, total de R$ 240,00
- Transporte: R$ 20,00 reais dia, total de R$ 80,00
- Traslado de UBER aeroporto-hospedagem: R$ 30,00 o trecho, total de R$ 60,00
- Alimentação: R$ 60,00 reais dia, total de R$ 240,00
- Ilha do Combu: R$ 60,00 reais
- Passes dos museus mencionados nessa matéria: R$ 20,00
- Artesanatos, cheiros, e outros souvernirs: fica a seu critério, mas se você separar R$ 100,00 é um bom valor para levar bastante coisa diferente da região.
O valor de quatro dias fica em mais ou menos R$ 800,00. Vale lembrar que esse valor é uma estimativa, que você pode ir adaptando a sua realidade e o que deseja fazer na cidade. Você pode consultar outros locais de lazer e entretenimento no site oficial da prefeitura de Belém (Acesse aqui), e assim ir adaptando os custos à sua realidade. Mesmo assim, esse é um bom valor, com hospedagem, alimentação, e ainda dá pra levar os souvenirs, né?

Área nobre da capital paraense


A Universidade Federal do Pará, também fica de frente para o rio

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Todas As Postagens

Resenha

Soodacast

Instagram